Connect with us

Entertainment

6 meses para o Enem 2022: saiba como se planejar

Coordenadores de cursos preparatórios dão dicas de como otimizar o tempo de estudo até o exame, que acontece em 13 e 20 de novembro. Inscrições estão abertas até 21 de maio. Enem 2021: psicóloga explica a importância de se planejar para a prova
Faltam seis meses para o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022, que vai ser aplicado em 13 e 20 de novembro. O tempo é suficiente para se preparar, opinam coordenadores de cursinhos preparatórios.
“Pode parecer pouco tempo para algum ou muito tempo para outros, mas, se organizar, todo mundo se sai bem”, diz Marcelo Pereira, coordenador do cursinho comunitário Bora, Que É Agora.
Ele acredita que a preparação já começa com a inscrição no exame. “Quando o aluno se inscreve, já começa a se preparar mentalmente para o momento da prova. Ele sabe que vai passar horas estudando e só vai acabar com o último dia do Enem”.
Assim como ele, o coordenador pedagógico do Colégio e Curso AZ, Filipe Araújo, também recomenda que o c..

Published

on

Coordenadores de cursos preparatórios dão dicas de como otimizar o tempo de estudo até o exame, que acontece em 13 e 20 de novembro. Inscrições estão abertas até 21 de maio. Enem 2021: psicóloga explica a importância de se planejar para a prova
Faltam seis meses para o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022, que vai ser aplicado em 13 e 20 de novembro. O tempo é suficiente para se preparar, opinam coordenadores de cursinhos preparatórios.
"Pode parecer pouco tempo para algum ou muito tempo para outros, mas, se organizar, todo mundo se sai bem", diz Marcelo Pereira, coordenador do cursinho comunitário Bora, Que É Agora.
Ele acredita que a preparação já começa com a inscrição no exame. "Quando o aluno se inscreve, já começa a se preparar mentalmente para o momento da prova. Ele sabe que vai passar horas estudando e só vai acabar com o último dia do Enem".
Assim como ele, o coordenador pedagógico do Colégio e Curso AZ, Filipe Araújo, também recomenda que o candidato se organize desde já.
Neste texto você vai ver:
Rotina de estudos
Quanto tempo estudar
Provas de anos anteriores
Redação
Matemática
Tempo para fazer o que gosta
Cronograma do Enem 2022
Disciplinas e horários das provas
Confira dicas para otimizar o tempo até o exame:
Crie uma rotina de estudos
É importante pensar na organização para conseguir passar por todo conteúdo exigido pelo Enem. Para isso, o aluno precisa saber o tempo que ele terá disponível em cada dia para, então, montar uma estratégia que se enquadre na sua realidade com o objetivo de manter uma rotina de estudos.
A recomendação é que o aluno divida seu tempo disponível em dois momentos. No primeiro, o foco deve se manter no estudo teórico. Dessa forma vai relembrar assuntos passados e aprender novos conceitos. Já na segunda metade, o aluno pode se dedicar à resolução de questões com o objetivo de fixar, de fato, o conteúdo.
Em caso de alunos que tenham mais facilidade em alguns conteúdos, é comum que fique menos tempo em estudos teóricos e mais tempo em resolução de questões.
Leia também
Veja TUDO o que você pode fazer com a nota do Enem
Professor faz sucesso na internet com vídeos em que interage com ele mesmo
Leia 8 exemplos de redações nota mil do Enem 2021
Saiba quanto tempo estudar
A sugestão do coordenador do AZ é fazer um "contraturno" de estudo, usando como referência a carga horária de aulas escolares.
"Se o aluno estuda pela manhã e assiste cinco horas de aula, uma boa referência seria que ele conseguisse estudar pelo mesmo período no contraturno. Isto é, uma hora de estudo individual para cada uma hora de estudo em sala", explica.
Já para os alunos que têm dificuldade de manter a concentração, a sugestão é a Técnica Pomodoro, que consiste na divisão dos estudos em blocos de 30 minutos. Os primeiros 25 minutos devem ser focados nos estudos e, nos cinco minutos finais, o estudante vai ao banheiro, usa o celular ou usa como tempo de descanso.
Para quem não tem tanto tempo disponível, Marcelo Pereira reforça que o importante é não deixar de estudar. "Se você tem duas horas livres antes do horário de dormir, estude. Se não tiver este tempo, mas passa meia hora no ônibus até o trabalho, tente estudar nesse intervalo. Isso é primordial para manter o conteúdo em mente".
Passo a passo: como fazer a inscrição no Enem 2022
Faça provas de anos anteriores
Uma boa estratégia é priorizar a resolução de exercícios, bem como refazer as provas de anos anteriores. Isso vai ser útil para se familiarizar com o formato da prova e também para verificar os itens incorretos em suas respostas, e usá-los como ponto de partida para as revisões da teoria.
Pratique a redação
"É muito importante praticar a redação regularmente. A redação é a única área em que o estudante consegue alcançar 1.000 pontos se gabaritar. Então, produzir textos semanais e submetê-los à correção é uma excelente estratégia para a tão sonhada nota mil", diz Filipe Araújo.
Já Marcelo Pereira indica a opção de fazer essa atividade em conjunto com amigos. "O aluno pode simular a situação do Enem separando um tempo apenas para a produção da redação. Depois, ele pode trocar seu texto com um amigo para fazerem a correção".
Enem 2021: Saiba como fazer um bom uso dos textos motivadores na redação
Estude matemática
Matemática é a disciplina com o maior número de questões no Enem. Então, é importante que o aluno possa transferir este nível de importância em seus estudos, diz Araújo.
Além de fazer exercícios das principais áreas da matemática que costumam cair no Enem, o aluno pode anotar os conteúdos que têm mais dúvida para esclarecer em sala de aula com o professor e também buscar videoaulas com dicas e resolução de exercícios.
Tenha um tempo para fazer o que gosta
"Um ano de vestibular não precisa ser um ano exclusivamente de estudos. Os estudantes precisam entender que fazer alguma atividade extra – esporte, aula de música, dança (ou até reservar um momento do dia para a sua leitura ou vídeo game preferido) – contribui para que a mente esteja mais leve, inclusive no momento de estudo", acrescenta Filipe Araújo.
"Espairecer a mente de vez em quando também é importante para conseguir manter o ritmo de estudo. Os alunos devem adotar esse tempo como parte do cronograma para, assim, ter o melhor desempenho possível no Enem", completa Marcelo Ribeiro.
Cronograma do Enem 2022
Inscrições: 10 a 21 de maio
Pagamento da inscrição: 10 a 27 de maio
Pedido de atendimento especializado: 10 a 21 de maio
Pedido de tratamento pelo nome social: 23 a 28 de junho
Provas: 13 e 20 de novembro
Disciplinas e horários
Como nos últimos anos, o Enem será aplicado em dois domingos.
13 de novembro
O candidato deverá fazer:
45 questões de linguagens (40 de língua portuguesa e 5 de inglês ou espanhol);
45 questões de ciências humanas; e
redação.
20 de novembro
A prova trará:
45 questões de matemática; e
45 questões de ciências da natureza.
Veja os horários de aplicação (no fuso de Brasília):
Abertura dos portões: 12h
Fechamento dos portões: 13h
Início das provas: 13h30
Término das provas no 1º dia: 19h
Término das provas no 2º dia: 18h30

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Entertainment

Homeschooling: entenda o que diz o projeto de lei aprovado pela Câmara sobre ensino domiciliar

Proposta segue para análise do Senado, que pode fazer alterações no texto. Entidades do setor criticam a prática, que atualmente não é permitida no país. STF discute sobre a educação domiciliar, o homeschooling, nesta quinta (30)
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (19) um projeto de lei que autoriza o ensino domiciliar (homeschooling) no Brasil. Atualmente, a prática não é permitida no país por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).
O projeto ainda precisa ser analisado pelo Senado, onde poderá sofrer mudanças. Se for alterado, o texto volta à Câmara. Caso contrário, segue para sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro.
Entidades do setor criticam a medida por, entre outros pontos, entenderem que representa um risco à garantia do direito fundamental à educação, além de restringir a troca de ideias e visões de mundo contraditórias e impactar na socialização dessas crianças e jovens
O Código Penal também condena a adoção da educação domiciliar, consid..

Published

on


Proposta segue para análise do Senado, que pode fazer alterações no texto. Entidades do setor criticam a prática, que atualmente não é permitida no país. STF discute sobre a educação domiciliar, o homeschooling, nesta quinta (30)
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (19) um projeto de lei que autoriza o ensino domiciliar (homeschooling) no Brasil. Atualmente, a prática não é permitida no país por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).
O projeto ainda precisa ser analisado pelo Senado, onde poderá sofrer mudanças. Se for alterado, o texto volta à Câmara. Caso contrário, segue para sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro.
Entidades do setor criticam a medida por, entre outros pontos, entenderem que representa um risco à garantia do direito fundamental à educação, além de restringir a troca de ideias e visões de mundo contraditórias e impactar na socialização dessas crianças e jovens
O Código Penal também condena a adoção da educação domiciliar, considerando-a abandono intelectual. Em junho do ano passado, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ) chegou a aprovar uma outra proposta que impede que pais que adotem o modelo sejam processados por abandono intelectual. Esse texto, porém, ainda precisa passar pelo plenário da Câmara.
Entidades criticam projeto de lei
Mãe relata a rotina de estudos do filho em casa
Jovem avalia que não é para 'todo mundo'
Entenda abaixo o que diz o projeto aprovado pela Câmara:
Quais etapas do ensino poderiam ser feitas em casa?
O texto aprovado pelos deputados prevê que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) seja alterada para admitir o ensino domiciliar na educação básica, isto é: pré-escola, ensino fundamental e médio.
Qualquer família poderia fazer?
Pelo projeto, nem todas as famílias poderão aderir ao ensino domiciliar. Para optar por esta modalidade, os responsáveis deverão formalizar a escolha junto a uma instituição de ensino credenciada, fazer matrícula anual do estudante e apresentar os seguintes documentos:
comprovação de escolaridade de nível superior, inclusive em educação profissional tecnológica, em curso reconhecido nos termos da legislação, por pelo menos um dos pais ou responsáveis legais pelo estudante;
certidões criminais da Justiça Federal e Estadual ou Distrital dos pais ou responsáveis.
Estudante de Sorocaba (SP) é proibida pela Justiça de cursar faculdade por fazer 'homeschooling'
Reprodução/TV TEM
A proposta estabelece um período de transição em relação à exigência de comprovação de escolaridade de nível superior, caso os responsáveis escolham homeschooling nos dois primeiros anos após a regulamentação entrar em vigor.
A transição prevista no projeto permite:
a comprovação, ao longo do ano da formalização da opção pela educação domiciliar, de que pelo menos um dos pais ou responsáveis legais está matriculado em curso de nível superior;
comprovação anual de continuidade dos estudos, com aproveitamento, por pelo menos um dos pais ou responsáveis legais, no curso de nível superior em que estiver matriculado;
conclusão, por pelo menos um dos pais ou responsáveis legais, do curso de nível superior em que estiver matriculado, em período de tempo que não exceda em 50% do limite mínimo de anos para sua integralização.
Quais seriam as obrigações?
A proposta aprovada na Câmara estabelece também regras para as instituições de ensinos e responsáveis legais no desenvolvimento da educação domiciliar, como:
manutenção de cadastro, pela instituição de ensino dos estudantes em educação domiciliar nela matriculados, a ser anualmente informado e atualizado junto ao órgão competente do sistema de ensino;
cumprimento de conteúdos curriculares referentes ao ano escolar do estudante, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular, admitida a inclusão de conteúdos curriculares adicionais;
realização de atividades pedagógicas que promovam a formação integral do estudante, contemplando seu desenvolvimento intelectual, emocional, físico, social e cultural;
manutenção, pelos pais ou responsáveis legais, de registro periódico das atividades pedagógicas realizadas e envio, à instituição de ensino em que o estudante estiver matriculado, de relatórios trimestrais dessas atividades;
acompanhamento do desenvolvimento do estudante por docente tutor da instituição de ensino em que estiver matriculado, inclusive mediante encontros semestrais com os pais ou responsáveis, o educando e, se for o caso, do profissional que acompanha o ensino domiciliar;
garantia, pelos pais ou responsáveis legais, da convivência familiar e comunitária do estudante;
realização de avaliações anuais de aprendizagem e participação do estudante nos exames do sistema nacional de avaliação da educação básica e nos exames do sistema estadual ou sistema municipal de avaliação da educação básica.
VEJA OUTROS VÍDEOS DE EDUCAÇÃO

Continue Reading

Entertainment

‘Homeschooling’: Câmara conclui aprovação de projeto que regulamenta educação domiciliar

Texto principal do projeto já havia sido aprovado na quarta (18), mas faltava análise dos destaques. Proposta altera Lei de Diretrizes e Bases da Educação e segue para o Senado. Câmara aprova projeto que regulamenta homeschooling
A Câmara dos Deputados concluiu nesta quinta-feira (19) a aprovação do projeto que regulamenta a prática do ensino domiciliar, conhecida como “homeschooling”. Com a conclusão, o texto segue para o Senado.
O texto-base da proposta já havia sido aprovado nesta quarta (18), mas, para concluir a votação, os deputados precisavam votar os destaques, isto é, propostas que visam modificar a redação do projeto. Os destaques, então, foram analisados nesta quinta e todos acabaram rejeitados.
Entenda: o que é o 'homeschooling'
Saiba mais: os detalhes do projeto
Repercussão: entidades criticam
Atualmente, o ensino domiciliar não é permitido no país por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) — leia detalhes mais abaixo.
O texto aprovado pela Câmara altera a Lei..

Published

on

Texto principal do projeto já havia sido aprovado na quarta (18), mas faltava análise dos destaques. Proposta altera Lei de Diretrizes e Bases da Educação e segue para o Senado. Câmara aprova projeto que regulamenta homeschooling
A Câmara dos Deputados concluiu nesta quinta-feira (19) a aprovação do projeto que regulamenta a prática do ensino domiciliar, conhecida como "homeschooling". Com a conclusão, o texto segue para o Senado.
O texto-base da proposta já havia sido aprovado nesta quarta (18), mas, para concluir a votação, os deputados precisavam votar os destaques, isto é, propostas que visam modificar a redação do projeto. Os destaques, então, foram analisados nesta quinta e todos acabaram rejeitados.
Entenda: o que é o 'homeschooling'
Saiba mais: os detalhes do projeto
Repercussão: entidades criticam
Atualmente, o ensino domiciliar não é permitido no país por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) — leia detalhes mais abaixo.
O texto aprovado pela Câmara altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para admitir o ensino domiciliar na educação básica (pré-escola, ensino fundamental e médio).
A educação domiciliar é uma das bandeiras do presidente Jair Bolsonaro e de seus apoiadores. O tema estava entre as metas prioritárias para os primeiros 100 dias de governo.
'Homeschooling' no Brasil
O ensino domiciliar não é permitido no país porque, em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que não há lei que regulamente o "homeschooling".
No julgamento, a maioria dos ministros entendeu que é necessária a frequência da criança na escola, de modo a garantir uma convivência com estudantes de origens, valores e crenças diferentes, por exemplo.
Os ministros, na ocasião, também argumentaram que, conforme a Constituição, o dever de educar implica cooperação entre Estado e família, sem exclusividade dos pais.
Câmara aprova urgência para agilizar PL sobre ensino em casa
O que diz o projeto aprovado
Pelo projeto aprovado pela Câmara, passa a ser admitida a "educação básica domiciliar, por livre escolha e sob a responsabilidade dos pais ou responsáveis legais pelos estudantes".
Para optar por esta modalidade de ensino, os responsáveis deverão formalizar a escolha junto a instituições de ensino credenciadas, fazer matrícula anual do estudante e apresentar os seguintes documentos:
Comprovação de escolaridade de nível superior ou em educação profissional tecnológica, em curso reconhecido nos termos da legislação, por pelo menos um dos pais ou responsáveis legais pelo estudante;
Certidões criminais da Justiça Federal e Estadual ou Distrital dos pais ou responsáveis;
Relatórios trimestrais com a relação de atividades pedagógicas realizadas no período;
Acompanhamento com um docente tutor da instituição em que a criança estiver matriculada e que sejam realizados encontros semestrais com o estudante e os responsáveis;
Avaliações anuais de aprendizagem;
Avaliação semestral do progresso do estudante com deficiência ou transtorno de desenvolvimento.
A proposta estabelece também um período de transição em relação à exigência de comprovação de escolaridade de nível superior, caso os responsáveis escolham "homeschooling" nos dois primeiros anos após a regulamentação entrar em vigor.

Continue Reading
Advertisement

Tendência

Copyright © 2022 - BILLNETWORK - Humberg Trajano - Programer