Cursinhos avaliam o que esperar de um Enem com a ‘cara do governo’ Bolsonaro

Advertisements

Em meio a relatos de servidores do Inep sobre interferência no conteúdo do exame, o presidente Jair Bolsonaro disse que as questões do exame "começam agora a ter a cara do governo". Diante da declaração do presidente Jair Bolsonaro de que as questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) "começam agora a ter a cara do governo", cursinhos pré-vestibulares ouvidos pelo g1 avaliam que temas considerados polêmicos devem ficar de fora da prova, especialmente em relação a pautas ligadas a minorias.
Em meio a relatos de interferência no conteúdo do exame, conforme adiantou o g1, o presidente Jair Bolsonaro foi questionado sobre a crise no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação do Enem. Nos últimos dias, 37 servidores pediram demissão em massa de seus cargos.
"O que eu considero muito também: começam agora a ter a cara do governo as questões da prova do Enem", afirmou Bolsonaro em viagem a Dubai. "Ninguém precisa ficar preocupado. Aquelas questões absurdas do passado, que caíam tema de redação que não tinha nada a ver com nada. Realmente, algo voltado para o aprendizado."
Após a repercussão negativa da declaração do presidente da República, o vice, Hamilton Mourão, disse que o "governo não mexeu em nenhuma questão do Enem".
Na avaliação do diretor do Curso Anglo, Daniel Perry, "quanto ao conteúdo, é possível que temas considerados polêmicos e controversos, especialmente no campo das pautas identitárias, não apareçam".
No entanto, segundo Perry, no que se refere à cobrança de habilidades, o estudante deve esperar "uma prova no mesmo estilo das edições anteriores".
Para o diretor de performance acadêmica do Colégio e do Curso pH, Luis Abad, como as questões do Enem são previamente testadas, não é possível fazer "alterações bruscas de rumo às vésperas do exame".
"A expectativa para o Enem 2021 é que ele siga os padrões dos últimos exames, inclusive com mesmo nível de dificuldade. Por ser uma avaliação que adota a Teoria de Resposta ao Item no cálculo das notas dos candidatos, seus itens precisam passar previamente por uma testagem, o que não permite alterações bruscas de rumo às vésperas do exame. O que pode ocorrer é a supressão de alguns temas, o que já vem ocorrendo nas últimas edições", afirma.
Esse método de correção da prova – chamado Teoria de Resposta ao Item (TRI) – é programado para dar uma nota menor a quem “chutar” as respostas.
Em relação ao tema de redação, Abad avalia que "não são esperados temas muito diferentes" dos que foram propostos nos últimos três anos.
"A preparação [para a redação] não muda e deve ser feita com base nos temas anteriores da prova, que focam em problemas relevantes da sociedade brasileira. Não são esperados temas muito diferentes, em termos estruturais, daqueles propostos nos últimos três anos", diz.
O diretor pedagógico do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante de Campinas (SP), Daniel Simões Santos Cecílio, também considera que os alunos deverão encontrar pela frente uma "prova clássica" do Enem em relação ao conteúdo.
Ele observa que os alunos devem esperar uma prova pautada em competências e habilidades. "Portanto, serão abordados temas relevantes em todas as áreas de conhecimento", afirma.
Credibilidade em risco
Para o diretor da entidade Todos pela Educação, Olavo Nogueira Batista Filho, a declaração do presidente de que o exame tem agora "a cara do governo" coloca em xeque a credibilidade do Enem.
"Essa é uma frase que dá indícios de interferência não-técnica em algo que precisa ser 100% técnico. Por isso, nosso entendimento é que esse episodio, se somando ao que aconteceu nos últimos meses, põe em risco a credibilidade do Enem", afirma.
A Comissão de Educação da Câmara busca investigar "de imediato" essa e outras acusações feitas pelos 37 servidores que pediram exoneração de seus cargos no Inep. De acordo com a presidente da comissão, Dorinha Rezende (DEM-TO), o ministro da Educação, Milton Ribeiro, será chamado para dar explicações ao colegiado sobre o Enem e a crise no instituto.
Dorinha Rezende disse também que o colegiado vai propor a criação de uma comissão para acompanhar e monitorar o Enem. A prova será realizada neste fim de semana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *