Por dentro dos gigantescos campos de maconha do Marrocos

Advertisements


País norte-africano é a origem de 60% da cannabis consumida na Europa. Planta de maconha
Reprodução / TJMG
Nas montanhas do Marrocos, há uma infinidade de plantações de uma variedade de maconha desejada mundialmente.
Trata-se do que os cultivadores locais a chamam de “Kif” ou “prazer supremo”. Ela domina a paisagem por mais de 500 km quadrados no norte do país.
Hoje, 60% da cannabis consumida na Europa vem do Marrocos. Mas isso não significa que os fazendeiros sejam ricos, pelo contrário.
LEIA TAMBÉM:
Cultivo ilegal de maconha faz condado nos EUA declarar estado de emergência
A 'legalização silenciosa' da maconha medicinal no Brasil
Deputado francês leva cigarro de maconha ao Parlamento durante debate sobre legalização da maconha
Eles ficam a mercê dos poderosos cartéis de tráfico internacional e são impactados pelas leis marroquinas.
Embora o cultivo para fins medicinais e industriais tenha sido legalizado em maio de 2021, muitos fazendeiros ainda operam na ilegalidade e são alvos de frequentes ações policiais.
"As pessoas que levam para os outros países ganham bastante dinheiro. Mas nós somos apenas fazendeiros e ganhamos pouco. A fiscalização é muito rigorosa e não podemos exportar, o governo não deixa", diz um cultivador de maconha ouvido pelo repórter Murad Shishani, da BBC.
A nova lei teoricamente permitiria que ele cultivasse e exportasse. Mas assim como a maioria dos fazendeiros, esse produtor ainda responde a processos da época em que todos estavam operando ilegalmente.
Mais de 40 mil fazendeiros estão sendo processados por seus atos de antes de a nova lei entrar em vigor.
Existe um clamor para anistiar essas pessoas, mas o problema é que, segundo representantes do governo, entre eles estão membros dos cartéis de traficantes.
Confira no vídeo.Original CURIOSIDADES

" class="prev-article">Previous article

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *